quinta-feira, 31 de julho de 2014

Como Marcos Trindade estudou em Angicos (RN)


Eu nasci em Mossoró, no dia 10 de janeiro de 1976. Mas, fui registrado em 22 de março de 1976 em Angicos. Cidade que considero como a minha terra natal.

Tanto a família do meu pai como a da minha mãe são de Angicos. O fato de ter nascido em Mossoró foi porque um governador nascido em Angicos, na década de 1960, deu ao meu pai um emprego, que o fez se mudar para Mossoró.

Mais ou menos quando eu tinha dois anos, meus pais retornaram para o município de Angicos. Morávamos no Sítio Bom Futuro a sete quilômetros de distância da cidade, Angicos.

Nesse sítio, nós vivíamos da agricultura e da pesca. Fazíamos plantações e criávamos gado. Mas, a seca castigava e chegávamos a quase passar fome e sede.

De comunicação mesmo tínhamos apenas o velho rádio de pilha fixado numa mesa da sala. Talvez, daí a paixão por rádio.

Estudar? Foi um sacrifício. Meu pai, semi-alfabetizado e minha mãe analfabeta. É duro dizer isso, mas é verdade.

Minha mãe foi quem mais lutou para eu ir estudar. Não porque eu não quisesse. Não tinha escola nas redondezas desse sítio e as condições não davam para ir estudar na cidade.

Então, minha mãe, vendo que cada dia ficava mais difícil encontrar a solução da escola, resolveu me levar para ter algumas aulas com uma moça que dava aulas de reforço. Iranete Saraiva, o nome dela. Era janeiro de 1986. Estava com 10 anos.

O pensamento dela era que eu aprendesse pelo menos assinar o nome e as quatro operações da matemática. Muito pouco!

Fiquei só um mês nessas aulas. Não aprendi quase nada. Só a Carta de ABC.

Como minha mãe tinha amizade com a mulher de um irmão do prefeito de Angicos, isso em 1986, aí ela pediu a essa mulher para falar com o cunhado, no caso o prefeito, para ver a possibilidade de montar uma escola nas proximidades do nosso sítio.

Pouco tempo depois, a escola foi montada e o local escolhido foi um estábulo no nosso sítio que meu pai tinha construído há dois anos, mas que não tinha usado. O gado já havia morrido todo!

Então, a escola foi inaugurada em março de 1986 com o nome de Escola Municipal Bom Futuro e a professora escolhida foi Tiana. Sebastiana Cesário da Silva.

Ainda em 1986, aprendi a ler e identificar a hora nos relógios. Lembro como se fosse hoje. Estudei nessa escola até 1989.

Daí fui para a cidade de Angicos, uma irmã minha estava trabalhando, alugou uma casa. Eu e mais duas irmãs fomos morar juntos. Isso em 1990.

Era ano de Copa do Mundo, na cidade, fiquei feliz da vida. Ver televisão, jogar bolar, tomar aquela moreninha... foi tudo de bom.

Mas, no final de 1990, estava de volta para o sítio. Passei a estudar numa escola municipal e à noite. Voltava nesses caros que trazem dos sítios alunos para estudar na cidade.

No início não gostei não, mas depois ficou maravilhoso. Estudei nessa escola, Escola Municipal Maria Odila, até 1993. Passei a morar definitivamente na cidade em 1992. Já gostava tanto dessa escola que continuei lá mesmo, mesmo podendo mudar para uma estadual.

Terminava assim o chamado primeiro grau. Não fiquei reprovado nenhum ano.

O segundo grau, fiz no Centro Escolar Professor Francisco Veras, lá em Angicos também entre 1994 e 1996 e escolhi o Curso Técnico em Contabilidade. Não fiquei reprovado nenhum ano. 

MT no último ano de Colégio.

Nenhum comentário:

Postar um comentário